Numero 340

Image

Este boletim está sendo elaborado do Canadá, onde me encontro e ficarei ate o fim do mês. Isso me faz refletir – mais uma vez – sobre a importância da Internet, que me permite ter as matérias, inclusive as relativas ao Brasil, em tempo quase real, mesmo estando a milhares de quilômetros de distância. É uma pena que uma tecnologia tão importante e significativa seja usada, por muitos, para fazer o mal.

 

ARTIGOS COMPLETOS

Ideb 2011: Brasil supera metas, mas ensino médio ainda preocupa

 Desde 2005, avanço nos anos iniciais do ensino fundamental é três vezes maior do que no médio

 RIO – A educação no Brasil melhora mais rápido na base do que na ponta. É o que mostra o resultado do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) 2011, indicador bienal divulgado nesta terça-feira pelo Ministério da Educação (MEC). Nos anos iniciais do ensino fundamental, o país atingiu a nota 5, um crescimento de 0,4 em relação a 2009, e já superou a meta prevista para 2013, de 4,9. O avanço nos anos finais do fundamental foi mais lento: subiu de 4 para 4,1, mas bateu a meta estabelecida, de 3,9. Já o Ensino Médio continua sendo o calcanhar de aquiles do sistema educacional. Com uma melhora de 0,1, atingiu o objetivo, de 3,7, mas continua com resultados piores do que os outros segmentos.

Se forem analisados os avanços obtidos desde 2005, quando o índice foi calculado pela primeira vez, a nota dos anos iniciais evoluiu três vezes mais rápido do que a do ensino médio: de 3,8 para 5, enquanto o último segmento saiu de 3,4 para 3,7. Assim, os dados mostram que, na medida em que o aluno avança na sua vida escolar, seu rendimento piora. A lentidão na melhora também é observada nos anos finais do ensino fundamental. A cada biênio, a melhora tem sido menor.

O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, festeja os resultados.

– Quero parabenizar os professores que permitiram no seu trabalho cotidiano que o Brasil alcançasse esse resultado – diz.

Para a diretora-executiva do Todos pela Educação, Priscila Cruz, deve-se comemorar os resultados dos anos iniciais. Para ela, o avanço ocorreu em virtude dos investimentos que vêm sendo feitos na alfabetização.

– Temos que comemorar os resultados nos anos iniciais do fundamental. Houve avanço porque os investimentos estão sendo feitos na alfabetização. O plano do MEC de alfabetizar na idade certa, provavelmente, fará com que os resultados melhorem. Agora, é necessário que haja um pacto entre municípios e estados para que não haja descontinuidade dos bons resultados conforme os alunos vão avançando na escola. E o Ideb também não deve ser encarado apenas como um ranking, mas como um processo, analisando o que dá certo e o que não funciona, para que a educação melhore – diz Priscila. – Infelizmente, com o passar dos anos, cai a porcentagem do que os alunos aprendem, as escolas perdem a capacidade de garantir que aprendam.

Já Naércio Menezes Filho, professor de Economia e coordenador do Centro de Políticas Públicas do Insper, em São Paulo, um dos motivos para o bom desempenho dos anos iniciais do ensino fundamental não continuar no ensino médio está no fato de que o aprendizado é cumulativo, então “os vícios e problemas de aprendizado que o aluno acumulou em anos anteriores aparecem com mais clareza lá no final”:

– Além disso, um colégio municipal fica mais anos com um aluno, tem mais tempo para trabalhar mudanças, enquanto a rede estadual, que cuida do ensino médio, fica apenas três anos com o estudante.A meta estabelecida no Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) é de que o Brasil atinja a nota 6 nos anos iniciais em 2021. Esta é considerada a média dos países desenvolvidos da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) – explica o professor.

Na Prova Brasil, os estudantes fazem avaliações de português e matemática. Foram exatamente estas provas que puxaram o índice no primeiro segmento do ensino fundamental. A média nas duas disciplinas subiu de 5,22 em 2009 para 5,43 em 2011. Ao mesmo tempo, a aprovação diminuiu, o que puxou o número para baixo. O Índice de Rendimento (IR), que consolida as taxas de aprovação e reprovação, caiu de 0,91 para 0,89. Nos anos finais do fundamental, tanto o IR quanto a média das notas na Prova Brasil melhoraram: de 0,82 para 0,83 e de 4,88 para 4,97.

No caso do ensino médio, nada mudou em dois anos. A taxa que mede a eficiência do fluxo escolar permaneceu em 0,8, assim como o desempenho dos alunos, que ficou em 4,57.

Entenda o Ideb

O Ideb é um índice desenvolvido pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) que tem como objetivo mensurar a qualidade da educação brasileira. No seu cálculo são combinados dois fatores: o desempenho dos estudantes na Prova Brasil, aplicada a cada dois anos, e a taxa de aprovação das redes, usada para medir a eficiência do fluxo escolar. Por isso, uma rede pode ter um desempenho acadêmico melhor do que outra, mas um Ideb pior, devido a taxas de aprovação menores.

 

Uma margarida para Dilma

Texto escrito por José de Souza Castro, no blog da Kikacastro.

Recebi hoje notícias de Frei Gilvander Luís Moreira, pároco do Carmo-Sion, um dos bairros importantes de Belo Horizonte, porque habitado por pessoas influentes na cidade. Cris e eu conhecemos esse frade quando ajudávamos, há alguns anos, a editar “O Carrilhão”, jornal paroquiano. Ele é coautor do livro “O Bom Samaritano ontem e hoje”, editado no mês passado pelo Centro Ecumênico de Estudos Bíblicos (CEBI).

Acho que a mensagem era para divulgar, principalmente, este livro. Não me interessei. Mas ele lembrou, num “Em tempo”, que no último domingo completaram-se 29 anos do assassinato, aos 50 anos de idade, de uma mulher importante na história da luta pela reforma agrária na Paraíba. Como nenhum dos cinco denunciados como mandantes do crime foi punido até hoje e a imprensa já se esqueceu do caso – o que não causa qualquer surpresa – transcrevo abaixo trechos da mensagem:

“Margarida Maria Alves foi a primeira mulher a ocupar a presidência de um Sindicato de Trabalhadores Rurais no Estado da Paraíba. Sempre muito atuante na luta pela reforma agrária, ela fundou ainda o Centro de Educação e Cultura do Trabalhador Rural em Alagoa Grande.

Em uma gestão que durou mais de 10 anos, Margarida Alves, como líder sindical e como boa samaritana, moveu mais de 70 ações trabalhistas contra usineiros e senhores de engenhos da região. Tanto incomodou que no dia 12 de agosto de 1983 foi morta a tiros por pistoleiros em sua própria casa.

O assassinato de Margarida continua impune. Dos cinco acusados de serem mandantes do crime, ligados ao Grupo Várzea, apenas dois foram julgados e absolvidos: Antônio Carlos Coutinho e José Buarque de Gusmãos Neto, conhecido como Zito Buarque. Dos outros mandantes, Agnaldo Veloso Borges já faleceu e os irmãos Amaro e Amauri José do Rego estão foragidos.

O assassinato de Margarida Alves permanece entre os grandes crimes de repercussão nacional e internacional impunes no país, tendo sido encaminhado para a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da Organização dos Estados Americanos (OEA).”

Dessa história quase esquecida, surgiu a Marcha das Margaridas. Ela reúne de vez em quando mulheres camponesas de todo o Brasil que marcham para Brasília para exigir seus direitos. Direitos que também andam bem esquecidos pelo governo da primeira mulher – e não uma mulher qualquer, uma ex-guerrilheira – a se eleger presidente do Brasil.

Acorda, Dilma!

 

VALE A PENA LER

Image

 

VEJA & CACHOEIRA

O triste fim de Policarpo

Leandro Fortes

http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_ed707_o_triste_fim_de_policarpo

 

O negro na literatura brasileira: a necessidade de um novo paradigma de crítica social e literária

ROSÂNGELA BOYD DE CARVALHO

A história da África e seus habitantes, especialmente os que foram trazidos para o Brasil como escravos e seus descendentes, ou seja, todos nós, transformou-se, ainda que tardiamente, em componente curricular obrigatório. Talvez não a obrigatoriedade mas o privilégio de saber sobre o continente africano devesse nos impulsionar a descobrir mais sobre uma terra tão íntima e ao mesmo tempo estranha, próxima e distanciada… LEIA NA ÍNTEGRA: http://espacoacademico.wordpress.com/2012/08/11/o-negro-na-literatura-brasileira-a-necessidade-de-um-novo-paradigma-de-critica-social-e-literaria

 

Leia no WWW.outraspalavras.net

À beira de uma nova crise alimentar?
Alerta: mudança climática, agrocombustíveis e especulação financeira ameaçam elevar preços mundiais dos alimentos e ampliar fantasma da fome. Por Amy Horton

 As nuvens no horizonte brasileiro – e uma visão sobre comodissipá-las
Crise mundial e fantasma de recessão no horizonte exigem mais ousadia do governo Dilma, Por Amir Khair, em Teoria&Debate

Pesquisa sonda papel da ditadura brasileira nos golpeslatino-americanos
Historiador sugere, com base em documentos secretos, que governos militares podem ter sido espécie de braço de Washington contra governos democráticos da região. No Opera Mundi

Arábia Saudita, ultra-conservadorismo e petróleo
Apoiado na riqueza petrolífera, e no apoio político que recebe dos EUA e União Europeia, regime de Riad sustenta redes de fundamentalismo salafita, fortemente ligadas ao terror.Por Anne Allmeling e Alexandre Schossler, no DH

Por que regulamentar a publicidade infantil
Seminário frisa que pais não têm, sozinhos, meios para defender filhos dos abusos publicitários; e lembra que “autorregulamentação” fracassou. Por Tiago Miranda e Newton Araújo, da Agência Câmara

Onda de greves também no Uruguai
Depois de paralisação geral e marcha por Montevidéu na sexta-feira, trabalhadores da Educação, Saúde, Comércio e Transportes mantêm reivindicação por salários,  garantia dos serviços públicos e projeto nacional de desenvolvimento. No Diário Liberdade

 

A Carta Magna está sob ataque nos EUA e no mundo
Recentes decisões da Corte Suprema dos EUA incrementam o enorme poder político das grandes corporações e dos super ricos, golpeando com maior força ainda os vestígios vacilantes de uma democracia política. Enquanto isso, a Carta Magna sofre ataques mais diretos. Recordemos a Lei do Habeas Corpus de 1679, que proibia a “prisão em alto mar” e, com isso, o procedimento impiedoso de prisão no estrangeiro com o fim de torturar. O conceito de devido processo legal ampliou-se com a campanha internacional de assassinatos da administração Obama, de modo que esse elemento central da Constituição se tornou nulo e vazio. O artigo é de Noam Chomsky.
http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=20714&boletim_id=1329&componente_id=21851

 

Sobre a ditadura e a sociedade

Motivada por recentes manifestações favoráveis e contrárias à investigação de crimes de tortura cometidos durante o governo militar no Brasil, Keila Grinberg comenta, em sua coluna de agosto, o apoio social – ainda que pequeno – a esse regime e às suas práticas.

http://cienciahoje.uol.com.br/colunas/em-tempo/sobre-a-ditadura-e-a-sociedade

 

INFORMAÇÕES

Image

 

Image

 

 

Debates marcam o lançamento de “As armas da crítica”
O sociólogo Emir Sader participará, neste mês de agosto, de uma série de eventos de lançamento do livro “As armas da crítica” (Boitempo Editorial), do qual é um dos organizadores. Serão sete dias de eventos, entre os dias 16 e 29, nas cidades de São Bernardo do Campo, São Paulo, Campinas, Fortaleza, Belo Horizonte e Caxias do Sul. A obra abrange autores clássicos do pensamento da esquerda, como Marx, Engels, Gramsci, Lenin, Trotski e Rosa Luxemburgo. Livro inaugura um projeto planejado para três volumes, divididos entre os autores clássicos, os do chamado marxismo ocidental e os contemporâneos.

São Paulo – Neste mês de agosto, o sociólogo Emir Sader participará de uma série de eventos de lançamento do livro As armas da crítica, do qual é um dos organizadores. Serão sete dias de eventos, entre os dias 16 e 29, nas cidades de São Bernardo do Campo, São Paulo, Campinas, Fortaleza, Belo Horizonte e Caxias do Sul.

A obra abrange os chamados ‘clássicos’ – os autores que vão de Marx e Engels a Gramsci, passando por Lenin, Trotski e Rosa Luxemburgo. Essa coletânea de textos essenciais apresenta, por exemplo, alguns dos mais importantes capítulos de obras como Manifesto Comunista, 18 de Brumário de Luis Bonaparte, A guerra civil na França, Grundrisse, Contribuição à crítica da economia política, Luta de classes na Alemanha e o texto “O caráter fetichista da mercadoria e seu segredo”, que faz parte do Livro 1 de O capital, a ser publicado pela Boitempo em 2013, com tradução direta dos originais por Rubens Enderle. No segundo volume de As armas da crítica serão apresentados autores intermediários entre os clássicos e os contemporâneos, a quem será dedicado o terceiro volume. A organização é de Ivana Jinkings e Emir Sader.

Os eventos presenciais são gratuitos e não há necessidade de inscrição prévia.

Sobre o livro
Quase cem anos depois da primeira revolta proletária bem-sucedida no mundo, a Revolução Russa, quando a palavra “revolução” de certo modo se banaliza e alguns chegam a proclamar o fim da história, a Boitempo Editorial publica uma antologia que reúne alguns dos principais textos “clássicos” do pensamento marxista. As armas da crítica, organizado por Ivana Jinkings e Emir Sader, traz textos de Karl Marx, Friedrich Engels, Vladimir Lenin, Leon Trotski, Rosa Luxemburgo e Antonio Gramsci. A escolha pelos marxistas para esta coleção se deve ao fato de o marxismo constituir a espinha dorsal das teorias e práticas da esquerda desde que esta se firmou como força política e ideológica ao longo do século XX.

Este livro inaugura um projeto planejado para três volumes, divididos entre os autores clássicos, os do chamado marxismo ocidental e os contemporâneos. Abrindo o primeiro volume – dos clássicos – estão escritos dos fundadores do marxismo, Marx e Engels. Seguem-se a eles textos redigidos pelos mais destacados teóricos e dirigentes políticos do ciclo revolucionário do fim dos anos 1910 e do momento imediatamente posterior à Primeira Guerra Mundial: Lenin, Trotski, Rosa Luxemburgo e Gramsci. Todos são exemplos consagrados da capacidade de articulação entre teoria e prática, reflexão e ação, nos momentos de ascensão e de refluxo do movimento comunista.

Cada texto tem uma introdução, na qual se encontram as referências bibliográficas das edições originais e o nome dos tradutores e revisores técnicos. O volume inclui ainda um índice onomástico e indicações bibliográficas para os leitores que quiserem se aprofundar mais nos temas abordados.

Os autores apresentados também compartilham características. Foram ao mesmo tempo teóricos e militantes, pensadores e dirigentes revolucionários. Além disso, a prática política, o âmbito partidário, as esferas nacionais e internacionais foram sempre seus espaços de reflexão e de ação. Nenhum deles se dedicou a carreiras acadêmicas, nem por isso deixaram de valorizar extraordinariamente a teoria, construindo obras de porte monumental como formas de decifrar a realidade e fundamentar a ação política.

Image

MATÉRIA CAFÉ HISTÓRIA: MUSEU DO HOLOCAUSTO OFERECE CAPACITAÇÃO

Por que, o que e como trabalhar o Holocausto em sala de aula” é o tema dos seminários que se iniciam no segundo semestre. [Leia mais]

CINE HISTÓRIA: Á BEIRA DO CAMINHO 

“À Beira do Caminho” é o nome do novo filme de Breno Silveira. O drama tem no elenco importantes nomes do cinema brasileiro, como João Miguel, Vinicius Nascimento e Ângelo Antônio.[Leia mais]

TEORIA DA HISTÓRIA: VAMOS SORTEAR DOIS EXEMPLARES DE LIVRO SOBRE O TEMA

Vamos sortear dois exemplares do livro “Teoria & História”, do historiador José Carlos Reis. [Saiba como concorrer]

GRUPO EM DESTAQUE: RACISMO E ESCRAVIDÃO NEGRA NO BRASIL

Grupo tem por objetivo discutir a escravidão no Brasil, os seus reflexos sobre as condições de vida da população negra na era republicana e a trajetória do racismo até o momento presente das ações afirmativas [Leia mais

CONTEÚDO DA SEMANA: JURANDIR MALERBA

Relembre a entrevista que fizemos com o historiador da PUCRS e atualmente em Berlim [Leia mais]

MURAL DO HISTORIADOR: FASCISMO E ANTIFASCISMO

Em ocasião dos 90 anos da Marcha sobre Roma, evento este que levou a Itália à uma ditadura fascista de mais de duas décadas, a Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, em parceria com o Istituto Italiano di Cultura de Rio de Janeiro, organiza durante os meses de agosto e de setembro um ciclo de conferências sobre o tema do Fascismo e Antifascismo. Entre os conferencistas estão Francisco Carlos Teixeira (UFRJ), René Gertz (PUCRS), Orlando de Barros (UERJ) e João Fábio Bertonha (UEM). [Leia mais]

CAFÉ EXPRESSO NOTÍCIAS: ESTRUME SIMBOLIZA O NAZISMO EM BERLIM

Os visitantes do principal museu de arte moderna de Berlim deverão tomar cuidado para não pisar em montes de estrume de cavalo, colocados como um lembrete da arte que foi roubada ou destruída durante o governo nazista.Com a instalação de quatro montes de estrume artificial na Nova Galeria Nacional, pintados de azul, o artista austríaco Martin Gostner disse prestar uma homenagem à pintura “A Torre dos Cavalos Azuis”, de Franz Marc. [Leia mais]

SUPER TRUNFO:  BIOGRAFIAS DE D.PEDRO II E JOÃO GOULART

Diga qual biografia foi mais importante em sua formação acadêmica. [Leia mais]

FÓRUM EM DESTAQUE: IDEIAS FASCISTAS NO BRASIL

Inauguramos um novo fórum sobre fascismo: Qual foi o grau de recepção das ideias fascistas no Brasil? [Participe]

DOCUMENTO HISTÓRICO:  INDEPENDÊNCIA DO BRASIL (1822)

Documento de adesão da Vila Real da Praia Grande à Independência do Brasil, em 1822. [Saiba mais]

Visite Cafe Historia em: http://cafehistoria.ning.com/?xg_source=msg_mes_network

Anúncios

Sobre boletimdehistoriaricardo

Este Boletim é voltado, principal mas não exclusivamente, para historiadores e estudantes. Seu propósito é fornecer informações, notícias, links. Contribuições são bem-vindas. As opiniões exaradas em artigos assinados não são, necessariamente, as do editor. Mas o espaço é plural.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s