Numero 329

Image

Conforme prometido, este número não tem cachoeira. O artigo principal é uma análise de uma obra pouco conhecida da nossa literatura.

Na segunda parte, a crise europeia chega com tudo!

Bom proveito!

Image

ARTIGOS COMPLETOS

Um campo de concentração nos trópicos

Por Adelto Gonçalves em 22/05/2012 na edição 695

Reproduzido do suplemento “Opção Cultural” do Jornal Opção (Goiânia, GO), 20/5/2012; intertítulos do OI

(Observatório da Imprensa)

Se o Brasil já soube reverenciar os seus grandes escritores, como ao tempo de José de Alen­car (1829-1877), Machado de Assis (1839-1908), Olavo Bilac (1865-1918), Graciliano Ramos (1892-1953) e Jorge Amado (1912-2001), hoje não o faz tanto. E não é porque não existam grandes escritores. É por desconhecimento mesmo das novas e velhas gerações que são bombardeadas por literatura norte-americana de baixo nível, que aqui chega em formato de livros de autoajuda.

Quem é professor de Língua Portuguesa na graduação conhece bem o drama: se pedir para que seus alunos escrevam resenha crítica de algum livro que já tenham lido nos últimos anos, será contemplado com apreciações sobre os chamados best sellers de autores norte-americanos. E mais: na maioria, são resenhas que tiram da internet e que assumem como suas, praticando apropriação indébita. Mas o que esperar de um país que há muito tempo não prepara seus professores do ensino fundamental e médio, mas pretende “inundar” as escolas públicas de lousas digitais, provavelmente porque algum figurão há de ganhar gordas comissões nas vendas para prefeituras e órgãos públicos?

Mas nem tudo está perdido. Ainda bem que, de vez em quando, aparece um editor de visão e bons propósitos, como Nicodemos Sena, que, aliás, é também um fino escritor. Di­retor da Associação Cultural Letra Selvagem, de Taubaté-SP, Sena vem relançando vários livros que já deveriam ter sido canonizados na história da literatura brasileira. Mas que, sabe-se lá por que, não o foram.

É o caso de Selva Trágica, de Hernâni Donato, que, lançado em 1960, causou grande impacto no leitor a ponto de esgotar quatro edições. E não só. Em 1963, em função do sucesso de crítica e de público, foi transformado em filme em preto e branco pelo diretor Roberto Farias, marcando a estreia de Reginaldo Farias, que viria a se tornar um dos principais atores do cinema brasileiro. O filme ganhou o Prêmio Saci, promovido pelo jornal O Estado de S. Paulo, e representou o Brasil no Festival de Veneza. Hoje, é considerado um “clássico” do Cinema Novo brasileiro e não pode faltar no acervo de uma cinemateca.

Primeira vez

Hernâni Donato, 90 anos, nasceu em Botucatu, interior de São Paulo, em uma família de imigrantes italianos. Filho de um operário, mesmo com dificuldades, tornou-se um intelectual de sólidos conhecimentos e, profissionalmente, desempenhou a atividade de publicitário. Membro da Academia Paulista de Letras, é autor de mais de 70 livros, nos mais variados gêneros, indo da literatura infanto-juvenil à biografia, da historiografia aos costumes, da pesquisa à divulgação científica. Traduziu a Divina Comédia, de Dante Alighieri. Como romancista, publicou ainda Chão Bruto, Rio do Tem­po, O Caçador de Es­me­raldas e Filhos do Des­tino, que obtiveram êxito editorial nas décadas de 1950 e 1960.

De que trata Selva Trágica? É um romance-documento como poucos na história da literatura brasileira. À maneira de Gustave Flaubert (1821-1880) e Émile Zola (1840-1902), o jovem Donato empreendeu uma minuciosa pesquisa não só em fontes impressas como in loco, visitando a região em que situou o seu romance e entrevistou pessoas que serviriam para compor seus personagens. Ouviu casos terríveis contados por antigos trabalhadores das “minas” de erva-mate no Mato Grosso, na fronteira com o Paraguai, que só não surpreendem porque no Brasil de hoje os jornais, de vez em quando, ainda trazem notícias de que as autoridades federais flagraram trabalho escravo em fazendas.

É do que trata, em poucas palavras, o livro de Donato. Até 1938, período do primeiro governo de Getúlio Vargas, o nosso clone de Hitler e Mus­solini, manteve-se o monopólio da Companhia Mate Laranjeira, empresa argentina que explorava a extração do mate nos ervais do Mato Grosso. O trabalho era desumanamente desenvolvido em condições que fariam o inferno, de Dante Alighieri (1265-1321), parecer um oásis.

Ao final da década de 1950, quando Donato embrenhou-se nos ervais em busca de material para o seu romance, ainda havia cerca de cinco mil homens e mulheres que trabalhavam em condições subumanas, sem descanso, durante 14 horas por dia, na colheita e transporte da erva. Ainda assim, há historiadores que afirmam que o período Vargas (1930-1945) foi aquele em que pela primeira vez os trabalhadores tiveram seus direitos reconhecidos e respeitados. Talvez isso se tenha dado em grandes cidades, como São Paulo e Rio de Janeiro, porque no interior o Brasil sempre foi um imenso campo de concentração, que nada ficaria a dever a Auschwitz-Birkenau ou ao Gulag soviético, ainda que em tempos de paz.

Gritos e gemidos

Entre as muitas histórias que Donato recolheu e transportou para a literatura, estão a do homem que teve de lutar de garrucha em punho e viu seu filho morrer, porque ousou escrever sobre o que se passava na cultura do mate; e a do peão que trazia no corpo sinais de 18 facadas, com cortes que haviam sido costurados com agulha e barbante de costurar saco. Mas isso ainda era pouco: diariamente, os homens tinham de transportar o mate entre a “mina” e o acampamento, pelo meio da selva bruta, em fardos de 150 ou 200 quilos, amarrados às costas. Qualquer passo em falso causava a quebra da espinha dorsal do carregador. A vítima gemia a noite inteira, até que os demais trabalhadores pediam ao administrador que tivesse caridade. Então, os próprios companheiros recorriam ao jogo de cartas para que ao perdedor coubesse a tarefa de “de dar paz ao moço desgraçado”, ou seja, dar um tiro na cabeça daquele ser agonizante (pág.36).

Os bebedores de mate – hábito ainda largamente difundido não só no Centro-Oeste e Sul do Brasil como nos países de fala hispânica – que viviam na cidade, provavelmente, nem imaginavam como a erva-mate seria cultivada. Talvez tenham ficado indignados com os fatos narrados em Selva Trágica, o que justificaria a procura que o livro despertou no acanhado ambiente cultural paulista e carioca daquela época.

São narrações pungentes que horrorizam pela brutalidade com que era tratado o “uru”, o homem responsável pelo “barbaquá”, espécie de forno de madeira em que a erva era preparada para o consumo. Esse coitado era obrigado a trabalhar dia e noite sem parar, remexendo as folhas da erva sob um calor infernal. Depois de algum tempo trabalhando sob essas condições atrozes, todos os pelos de seu corpo secavam, caindo.

O trabalhador ficava esturricado e se transformava num feixe de ossos, talvez parecendo um salame defumado, enquanto os diretores da Companhia Mate Laranjeira confraternizavam-se com os donos do poder no palácio do governo em Cuiabá, no Palácio do Catete, no Rio de Janeiro, na Casa Rosada, em Buenos Aires, e no Palácio de los López, em Assunção, garantindo o privilégio do monopólio da extração da erva.

Por aqui se vê que Selva Trágica é um romance épico, que, incompreensivelmente, estava esquecido. E olhem que não foi por falta de reconhecimento da crítica. Temístocles Linhares em História Econômica do Mate (Rio de Janeiro, Livraria José Olympio Editora, 1960) já o considerara um “romance másculo, forte, bárbaro, como bárbara era a selva, como bárbaro era o trabalho nos ervais”. Artur Neves, na Revista Anhembi (São Paulo, 1961), já o definira como “uma história como nunca foi escrita em nossa terra”.

Como observa o professor e crítico literário Fábio Lucas em O Caráter Social da Literatura Bra­sileira (Rio de Janeiro, Editora Paz e Terra, 1970), em texto que serve de prefácio para esta edição, Selva Trágica constitui “um dos mais altos momentos da novelística de conteúdo social no Brasil”. Lembra Fábio Lucas que os ervateiros eram mobilizados na fronteira Brasil-Paraguai e levados por máfias para casas de prostituição, até que, bêbados, assinavam um contrato leonino com a companhia. Ficavam devedores para sempre, ganhando apenas para comer. Aos que tentavam escapar do inferno, restava a perseguição dos capangas da companhia que, quando os capturavam, espancavam-nos até a morte. “Não pense que gosto de mandar bater. Mas quem segura esse povo no duro do trabalho se não usar dureza?”, dizia Curê, o administrador (pág.142).

Os capatazes da companhia eram tão sórdidos que se sentiam no direito de abusar das mulheres dos ervateiros, enquanto estes se embrenhavam no mato. As mulheres serviam também para pagar dívidas, funcionando como moeda de troca entre os homens. Mas, apesar da sordidez da vida que levavam, havia ainda aqueles que encontravam forças para lutar contra a exploração e defendiam a extinção do monopólio da companhia. Entre esses, estavam os changa-y, “os mais miseráveis dos miseráveis dos trabalhadores da erva”, aqueles que tentavam trabalhar sem o patrão-algoz.

Luisão era um desses que escapara do inferno verde e andara por Cuiabá e Rio de Janeiro em conversas e peditórios com os políticos favoráveis à extinção do privilégio da companhia ervateira. Dizia aos companheiros: “A Companhia faz também essa e faz a grande política em Cuiabá, em São Paulo, no Rio, em Buenos Aires, sei lá onde mais. Assim, cobre os gemidos e os gritos da pobre gente dos ervais. No andar em que vamos, nem no fim do século teremos forças para emparelhar o nosso passo com o passo da Companhia. Lá fora é que é preciso gritar. O Governo é que nos pode ajudar se chega a nos ouvir. Mas o Governo só ouve ribombo, so­luços não” (págs. 136/137).

Vencidos e desgraçados

Não por coincidência publicado em 1956, mesmo ano em que saiu à luz Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa (1908-1967), Selva Trágica é um passo adiante do romance regionalista da década de 1930, época em que o pobre entrou triunfalmente na literatura brasileira. Ambientado no mundo da fronteira, traz ainda uma complexa linguagem narrativa, um verdadeiro amálgama da língua portuguesa com o linguajar guarani, como observa a professora Nelly Novaes Coelho, da Universidade de São Paulo, na apresentação que escreveu para esta edição.

Nesse sentido, é de acrescentar que Selva Trágica tem muitos pontos de aproximação com o trabalho do romancista, contista e antropólogo peruano José María Arguedas (1911-1969), autor de Los Ríos Profundos (1956), Todas las Sangres (1964) e El Zorro de Arriba y el Zorro de Abajo (1971, póstumo), entre outros, que igualmente fazia um trabalho de campo antes de escrever sobre a realidade do mundo “quéchua” no Peru. Não por acaso os livros de ambos são permeados por inevitáveis notas de rodapé que servem para explicar as palavras tiradas do idioma indígena.

Houve ainda quem comparasse Hernâni Donato com Erskine Caldwell (1903-1987) e John Steinbeck (1902-1968), a geração norte-americana da revolta, o Caldwell de Chão Trágico (“Tragic Ground”, 1944), um mergulho na vida dos vencidos e desgraçados do Sul dos Estados Unidos, e o Steinbeck de As Vinhas da Ira (“The Grapes of Wra­th”, 1937), que conta a história de uma família pobre no Estado de Oklahoma durante a Grande Depressão de 1929, que, obviamente, nada têm a ver com a atual geração de norte-americanos pro­dutores de best sellers que envenenam a nossa pou­co letrada juventude.

***

[Adelto Gonçalves é doutor em Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo]

 

 VALE A PENA LER

Image

O CERCO DE LENINGRADO

Autor: Pierre Vallaud

Por 900 dias os habitantes da cidade de Leningrado – atual São Petersburgo – viveram cercados por tropas nazistas. Um milhão de russos morreram na ocasião, dos quais 800 mil em consequência da fome. Contudo, esse terrível episódio da Segunda Guerra Mundial é frequentemente deixado em segundo plano em nome de outros embates. Com este livro, além do ponto de vista humano, a batalha de Leningrado é estudada em termos estratégicos, políticos e até simbólicos.
Em pleno século XX, desenrolou-se um cerco digno da era medieval. A fome, a sede, o fogo também foram inimigos temíveis. Pesquisando nos diários íntimos, nas cartas, nos arquivos, o historiador Pierre Vallaud revive toda a dimensão trágica dessa sangrenta aventura humana. Ele destaca o heroísmo dos cidadãos, a ignomínia de alguns, o esgotamento dos soldados nos dois lados.
Leningrado não será a mesma para os leitores deste livro.

Editora Contexto, R$ 49,90.

 

Cidadania ou Emancipação Humana

IVO TONET

Fala-se muito, hoje, em cidadania como se esse termo fosse sinônimo de liberdade tout court. Supõe-se que lutar por um mundo cidadão seria o mesmo que lutar por uma sociedade efetivamente livre e humana. Supõe-se também que, com a cidadania, que certamente é inseparável da democracia, teria sido descoberta a forma mais aperfeiçoada possível de sociabilidade. Não porque fosse perfeita, mas porque estaria indefinidamente aberta a novos aperfeiçoamentos… LEIA NA ÍNTEGRA: http://espacoacademico.wordpress.com/2012/05/26/cidadania-ou-emancipacao-humana/

 

Organização denuncia participação de médicos na ditadura argentina
Relatório elaborado pela organização argentina “Médicos com Memória” afirma que mais de mil e duzentos profissionais da saúde colaboraram nas salas de tortura e cometeram crimes de lesa humanidade durante a ditadura militar. Com isso, sustenta a organização, não só colaboraram com o horror de uma época, mas avalizaram, com seu silêncio, o sistema de saúde privatizante imposto pelo neoliberalismo desde março de 1976. Muitos médicos ainda permanecem impunes. O artigo é de Francisco Luque.
http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=20202&boletim_id=1200&componente_id=19309

 

Alemanha e China: da simbiose à competição conflitiva
A dependência do modelo alemão em relação à economia chinesa é um ponto pouco explorado quando se fala do crescimento da Alemanha. “O futuro aponta para o aprofundamento dessa competição. Neste contexto, é difícil saber se a atual simbiose entre ambas as economias vai durar. Está claro que, na medida em que a China se converta em uma crescente competidora para os produtos alemães, a relação se tornará mais conflitiva”, disse Jonas Parello-Plesner à Carta Maior.
http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=20239&boletim_id=1208&componente_id=19439

 

Reforma thatcherista vive nova fase no Reino Unido
Na calada da noite, a coalizão conservadora-liberal-democrata que assumiu o governo em maio de 2010 anunciou após cinco meses o mais radical corte do Estado de Bem Estar no Reino Unido. “É uma continuação da reforma thatcherista dos 80, mas muito mais profunda. Os conservadores aproveitaram a crise e o medo de uma crise a la Grécia para levar a proposta adiante”, disse à Carta Maior Jane Lethbridge, especialista da Universidade de Greenwich. O artigo é de Marcelo Justo, direto de Londres.

http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=20227&boletim_id=1207&componente_id=19424

 

O risco de uma Europa de extrema-direita
A política de austeridade e de precarização do emprego capitaneada por Angela Merkel levou a um desespero social que alimenta as tendências mais radicais. Ou a Europa reage agora ou será tarde, diz Ignacio Ramonet, diretor do Le Monde Diplomatique em espanhol. “Na França temos cerca de 28% do eleitorado votando numa extrema direita que recusa a Europa e o euro. O respeito das normas está a levar a uma situação insustentável. Victor Hugo dizia que não há nada mais poderoso que uma ideia para a qual chegou o momento”, diz Ramonet.
http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=20223&boletim_id=1207&componente_id=19429

 

Dossiê Crise Mundial

A Europa está fervendo. A vitória do socialista François Hollande na França e a possibilidade de vitória da esquerda na Grécia colocaram o até então impassível governo da chanceler alemã Ângela Merkel na defensiva. Some-se a isso a proximidade entre Hollande e o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em favor da retomada de uma agenda de crescimento na Europa, abrem um novo cenário político. Selecionamos neste boletim especial de fim de semana algumas matérias sobre o desdobramento da desordem financeira no plano político, cujos desdobramentos ultrapassam as fronteiras da Europa e dos EUA, como relata Eric Nepomuceno sobre a situação da economia argentina.

http://www.cartamaior.com.br/templates/index.cfm?home_id=112&alterarHomeAtual=1

Image

leia no WWW.outraspalavras.net:

Immanuel Wallerstein: por que o futuro da Europa é importante
Num cenário conturbado, Grécia e França empurram continente à esquerda e desafiam Alemanha. Se está ceder, toda conjuntura global mudará

O Código Florestal e o discurso vazio dos ruralistas
Números do IBGE atestam: para preservar natureza ampliando produção agropecuária, basta combater mal-uso da terra e apoiar pequeno produtor. Por Ladislau Dowbor

Uma energia incompatível com a humanidade
Catorze meses após tragédia de Fukushima, exame suas consequências deflagra, no Brasil, iniciativa popular para banir centrais nucleares. Por Chico Whitaker

O milagre econômico holandês
Centro do pensamento rebelde e transformações econômicas, culturais e científicas durante dois séculos, país foi impulsionado por revolução pouco conhecida Por José Luís Fiori

Dossiê: a Grécia ensaia ser rebelde
Quatro textos sobre país que assombra oligarquia financeira. No primeiro, raio-X da eleição que pode mudar futuro da União Europeia. Por Antonio Barbosa Filho

Democracia, o novo fantasma dos mercados
Slavoj Zizek analisa: grande novidade na Grécia é a chance de uma alternância real de políticas. Por isso, começou o terrorismo midiático

O que está em jogo em Atenas”
Jovem líder da esquerda grega sustenta: país é cobaia para reduzir direitos em todo continente; alternativa é refundar pacto europeu. Por Alexis Tsipras

Por que crucificar os gregos
É preciso bodes expiatórios para que 1% continue empilhando riquezas, controlando produção e alimentando crises cada vez mais profundas. Por Flávio Lyra

Os assassinatos por drones serão tuitados
No Iêmen, ativistas acompanham homicídio teleguiado, praticado pelos EUA. Denúncia amplia repúdio internacional a esta forma de terrorismo de Estado. Por Chris Woods e Jack Serle

O papel civilizador dos trens urbanos
Como no passado, eles poderiam semear estações, vilas, cidades – desafogando metrópoles. Mas patinam, submetidos à lógica interesseira da “rentabilidade”. Por Rogério Centofanti

 

CAFÉ HISTORIA

MATÉRIA CAFÉ HISTÓRIA: ACERVO DO ESTADÃO NA INTERNET

“Estado de S.Paulo” disponibiliza esta semana todo o seu acervo histórico na internet, desde 1875.



Leia esta esta matéria em: http://cafehistoria.ning.com/page/estadao-na-internet

ANUNCIE SEU BLOG NO CAFÉ HISTÓRIA: DIVULGUE SEU TRABALHO!



Já pensou em anunciar o seu blog ou site para mais de 8.000 visitantes únicos?

O Café História possui um espaço publicitário que pode ser seu. É possível anunciar seu trabalho por apenas R$ 20,00.



Saiba mais sobre esta oportunidade:http://cafehistoria.ning.com/anuncios

SUPER TRUNFO: “OLGA” OU “CHATÔ”. QUAL BIOGRAFIA VOCÊ PREFERE?

Na seção “Super Trunfo”, você poderá votar toda semana no clássico da historia que é mais importante para você.

Nesta nova rodada, “Olga”  e “Chatô”, ambos do jornalista Fernando Morais.


Vote na sua biografia preferida: http://cafehistoria.ning.com/page/super-trunfo-olga-versus-chato

MURAL DA SEMANA: HISTÓRIA DAS RELIGIÕES

A Associação Brasileira de História das Religiões (ABHR) está levando para a Universidade Federal do Maranhão o XIII Simpósio de História das Religiões.

Será uma oportunidade impar para refletir sobre quatro séculos de religiões no Maranhão e no Brasil.


Saiba mais sobre o evento:http://cafehistoria.ning.com [Página Principal]


CAFÉ EXPRESSO NOTÍCIAS: GETÚLIO VARGAS EM NOVA BIOGRAFIA

Cearense de Fortaleza, 48 anos, autor de biografias de Castello Branco, José de Alencar, Maysa e Padre Cícero, Lira Neto gastou dois anos e meio para concluir o primeiro tomo de “Getúlio”.
.

Confira esta notícia em:http://cafehistoria.ning.com [Página Principal]


DOCUMENTO HISTÓRICO: BRASÍLIA

Veja a atual capital federal em plena construção.


Saiba mais sobre este documento: http://cafehistoria.ning.com [Página Principal]


VÍDEOS IMPERDÍVEIS: EUROPA, OS NAZISTAS E OS HOMOSSEXUAIS

Documentário “Parágrafo 175”, que discute o assassinato de homossexuais durante o Terceiro Reich

Assista: http://cafehistoria.ning.com/video/paragraph-175-o-holocausto-gay-provocado-pelos-nazistas-legendado

Do ano 1000 a 2003: uma animação que mostra como a Europa mudou nos últimos 10 séculos

Assista: http://cafehistoria.ning.com/video/do-ano-1000-a-2003-um-milenio-de-europa-em-tres-minutos-epic-timeo



Visite Cafe Historia em: http://cafehistoria.ning.com/?xg_source=msg_mes_network

Sobre boletimdehistoriaricardo

Este Boletim é voltado, principal mas não exclusivamente, para historiadores e estudantes. Seu propósito é fornecer informações, notícias, links. Contribuições são bem-vindas. As opiniões exaradas em artigos assinados não são, necessariamente, as do editor. Mas o espaço é plural.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s